Ele ou Ela¹?

Artigo exibido: 3305 vezes

Esta parece ser a questão. Ela, é uma coisa. Ele, é uma pessoa. Se entrarmos na posse dela quase que invariavelmente a perdemos. Noventa entre cem que a possuem a perdem; ela os mantém continuamente possuindo e perdendo, e isto faz a vida muito insatisfatória para ganhadores e perdedores e quase todas as demais pessoas. A COISA não é capaz de fazer a obra DA PESSOA.

Tudo que se perde muito facilmente não é a coisa adequada para estes tempos e para Seus propósitos. Na verdade, ela é tão perdível que não sabemos exatamente quando a temos e quando não a temos; então achamos necessário busca-la novamente com fortes clamores e lágrimas; isto deve ser feito para retê-la.
Nossa santificação é algo tão valioso que precisamos vigia-la, protege-la e guarda-la, assim não temos tempo ou lugar para qualquer outra obra e nos tornamos religiosamente egoístas em nossa diligência para mantê-la. Para isso devemos falar, pregar, e escrever sobre ela. Precisamos declarar corretamente nosso Lema e nos associar somente com os que o professam, denunciando os que colocam algum outro em seu lugar. Falo em amor. Não tenho controvérsia, não guardo rancor. Tentei a SUA vida por muitos duros, fatigantes e insatisfatórios anos. Eu a recebi, plena, clara e satisfatoriamente a recebi.

Ela era o que eu buscava, e de acordo com a minha fé foi feito. Como recebi, assim andei. Como fui ensinado, assim fiz. Orei, ninguém poderia ter sido mais meticuloso em fazer sua obrigação do que eu. Em jejuns era fiel, pois isto era necessário para mantê-la; e os anos de Sextas-feiras de jejuns eram meus. Orar, professar e jejuar não era suficiente para mantê-la, pois ela era escorregadia e escorregaria, e pensei que morreria. Obras, boas obras, eram conduzidas como passatempo; preguei para nada, construí igrejas e alimentei o pobre, estabeleci e mantive missões. Nunca li um romance, nunca pesquei um peixe ou cacei um animal, ou assisti a uma peça, ou fui a um baile, ou a uma corrida, ou a um jogo.

Dei meu dinheiro, tempo e talentos gratuitamente para segura-la. Não zombei. Separei a mim mesmo, bani e condenei os outros. Usei roupas modestas e vivi uma vida modesta. Fui às reuniões ao ar livre e ganhei centenas, pagando suas despesas, para que eles pudessem recebe-la. Mantive reuniões por anos nesta linha, dia e noite, nas igrejas em que era pastor. Vi milhares recebe-la, cria verdadeiramente que estava fazendo a vontade de Deus e que, guardando a benção da santificação, eu tinha tudo o que havia para mim. Pensar em algo mais ou melhor era uma desilusão e um laço, achava melhor apenas guardar o que eu tinha ou a perderia totalmente. Devo ter cuidado com o fanatismo, pois era a ruína e o veneno dela.

Eu e eles nos tornamos inteiramente ligados e só íamos à reuniões santas ouvir pregações santas. Nos tornamos mais e mais restritos, até que nos coroamos uns aos outros e dissemos coisas significativas uns aos outros. Isto era condição indispensável, assim pensava, para mantê-la. Gastei minha voz, acabei com minha saúde e com a força em minha diligência para mantê-la e expandi-la; minha vida era um fracasso e meus esforços infrutíferos.

No tempo desse dilema, quando meu coração e carne me desapontavam e estava a ponto de abandona-la por dúvida e insatisfação, uma PESSOA veio me resgatar. Eu estava só, não havia ninguém por perto, ninguém estava interessado. Ele me tranqüilizou, silenciou minhas murmurações e queixas, sussurrou a mim em amor, que ELA não era capaz, mas ELE era. Ele comungou comigo e gentilmente sugeriu que eu O tomasse como Tudo em Todos. Eu disse “Sim” a Ele, isto é tudo.

Nenhuma nova benção, o Abençoador chegou. Ele, Ele Mesmo, uma Pessoa, e minha vida mudou. Ele sustenta, Ele satisfaz. Meu afazer agora está feito, eu descanso e regozijo; a dureza da minha vida se foi toda. Sua doçura veio. Sua mansidão me fez generoso. Ele e o que é dEle, são meus e eu sou dEle. Ele nunca me deixa. Ele me ama. A vida DELE é mil vezes melhor do que a vida DELA. Eu sei, eu provei a ambas. Amado, receba a ELE.

Extraído da Revista O Vencedor
A Mensagem do Rei – de uma revista antiga.

¹ - A palavra usada no original em Inglês é o pronome pessoal neutro “it”, o qual não possui equivalente em Português. Na tradução foi usado o pronome pessoal feminino “ela”, indicando uma “coisa”.

Saiba mais...
A Santidade é uma Exigência de Deus
Ele ou Ela¹?
Santidade